Belo atropela Ceará e abre boa vantagem para o jogo de volta no PV – Portal O Farol

Belo atropela Ceará e abre boa vantagem para o jogo de volta no PV

O Belo pintou e bordobelo-1-300x225u em cima do Ceará, nesta quarta-feira (13). Esta afirmação não é exagero pelo placar de 3 a 0 e, muito menos, pela atuação em campo das duas equipes. O Vovô até teve mais posse de bola em determinado momento da partida, mas não fez nada a mais. Teve poucas chances de gol e as desperdiçou. Já os donos da casa poderiam até ter saído de campo, no Estádio Almeidão, com uma vitória mais elástica. Foi o primeiro jogo entre as duas equipes, pela 3ª fase da Copa do Brasil.

Sandro (contra) e Plínio (duas vezes) deram números finais ao triunfo paraibano. O resultado positivo faz com que o Belo possa jogar, daqui a uma semana, no Estádio Presidente Vargas, em Fortaleza, com a vantagem do empate e também podendo perder por dois gols de diferença. Até mesmo se perder por três gols, mas marcar, se classifica. Uma nova vitória também é bem vinda.

Ao Ceará, resta golear para garantir vaga na próxima fase da competição, a partir de quatro gols de diferença. Se repetir o placar da partida no Almeidão, leva a decisão para os pênaltis. Empate ou derrota, elimina o Vovô.

Só deu para o Botafogo-PB

Desde o primeiro toque de bola, o Belo mostrou que queria o resultado positivo a todo custo. E não à toa, foi dominando as ações em campo, diante de um Ceará pouco criativo e cheio de brechas no meio-campo e, principalmente, na zaga. O primeiro gol surgiu, exatamente, de uma dessas falhas. Com cinco minutos, Sandro se atrapalhou e chutou para a própria meta, com um Éverson atônito com a jogada do companheiro de clube. Era o primeiro gol do Botafogo-PB na noite.

Pouco tempo depois, o lateral direito Tiago Cametá se desentendeu com o zagueiro e acabou batendo com o ombro no adversário, que aproveitou para cair no gramado, reclamando. O árbitro expulso o jogador cearense e deu amarelo para o paraibano. Resultado disso é que, mais frágil, o Vovô foi sentindo mais dificuldades em articular jogadas e se defender. Até teve mais posse de bola, mas nada rendesse boas jogadas. A exceção foram os três lances perigosos protagonizados por Bill. Todos desperdiçados. O segundo gol saiu em cobrança de falta. A zaga abriu de novo e Plínio conseguiu marcar livre, sem dificuldades.

Na volta para o segundo tempo, o Botafogo-PB administrava mais a partida. O Ceará tentava chegar, mas tinha menos ímpeto ainda do que no primeiro tempo.

A defesa, cada vez mais aberta, deu espaço para que o zagueiro Plínio, mais uma vez, aproveitasse isso para ampliar após um bate-rebate na área. Daí em diante, foi só tocar a bola, segurar a marcação nos jogadores cearenses e comemorar com a torcida a larga vantagem para a partida de volta.

Globoesporte.com

Categorias: Cidades,Esportes