ATÉ QUANDO AGUENTAREMOS? leia opinião do contabilista José Ricardo – Portal O Farol

ATÉ QUANDO AGUENTAREMOS? leia opinião do contabilista José Ricardo

CHEGA MAIS ! – Olha só, há mais de um mês a costa nordestina sofre com o óleo que brota de onde ninguém sabe. O governo desativou ferramentas de controle e combate a esse tipo de acidente e agora mantém a irresponsabilidade de ficar jogando a culpa nos outros, quando a responsabilidade de resolver a parada é sua. Esse governo fascista e inoperante não se cansa de fugir das suas responsabilidades.

Com relação à violência, instiga a população a comprar uma arma e sair por aí duelando como nas versões de faroestes. Proteger o cidadão é dever constitucional do Estado. Com relação ao desastre ambiental quer jogar nos ombros da população, das ONGs que ele persegue e dos ambientalistas, que nada tem a ver com as causas do desastre, até que se prove o contrário. Está aí o nordestino dando uma lição de quem realmente ama o País, limpando as praias, que é atribuição e dever do Estado, enfatizo. O governo e sua comitiva de turistas preferem extrapolar os custos palacianos com gastos com cartão de crédito corporativo, e a população bolsonariana faz vistas grossas encontrando embasamento que não existe para os seus delírios ideológicos. Essa é a nova política? Esse é o cara que ia combater corrupção? O uso indevido do erário público não deixa de ser um ato corrupto, pois dá-se conta de que existem despesas pessoais embutidas nos gastos imprescindíveis.

A justiça já o enquadrou, dando prazo de 24 horas para solucionar o problema do acidente ambiental na costa nordestina.Vamos ver no que vai dar essa questão. Tempos sombrios e hipócritas no poder. Há de se considerar que os casos que depõem contra o Estado não são elucidados, a exemplo de Marielle e Anderson, Ágata, Evaldo, o músico alvejado com oitenta tiros disparados pelo Exército, e o Queiroz, ah! o Queiroz! Essa é a maior aberração criminosa do nosso País, e as autoridades, sob a condução implícita de um ex-Juiz parcial, agora blindando os amigos do rei com a sua poderosa caneta, não desvendam nada. Sumiram arquivos elucidativos, no caso da Marielle. Desmancharam vestígios do local do crime no caso Ágata, e agora dizem que o projétil foi esfarelado num choque em um poste e que isso impossibilita definir de que arma saiu o tiro que alvejou o anjo inocente; No caso da execução pelo exército, levaram o assunto para a justiça militar, quando o crime nada teve a ver com operação militar. Ninguém sabe a quanto anda o processo. Simplesmente achararam que um cidadão, dentro de um carro com a sua família, era um ladrão em potencial perigo para a sociedade. E tome tiro! Essa é a ordem. No caso Queiroz fizeram de tudo, remanejaram órgãos, trocaram delegados, mudaram atribuições e nome do COAF, trocaram secretários, puniram funcionários, demitiram chefes. Uma verdadeira balbúrdia, com a devida vênia do louco da educação Wentraub.Esse é outro caso de polícia, tal qual a louca da goiabeira, da maconha e do crucifixo. Time de loucos.

E o caso dos vazamentos da Vaza Jato? Em vinte e quatro horas encontraram hackers de araque e quiseram encenar uma situação, para a qual não lograram êxito, diante de tanta incoerência. Uma verdadeira palhaçada. Com relação ao desastre do óleo, se for a Venezuela a responsável pelo ato criminoso, que se busque os meios diplomáticos e legais para responsabilizar, criminalmente, o país vizinho. A costa nordestina e o nosso povo nada tem a ver com a política beligerante de um governo caótico e inoperante. “Pelo amor dos meus filhinhos!”.

Categorias: Cidades,Colunistas,Destaque,José Ricardo,Política