Vereador de João Pessoa apresenta voto de repúdio a Karol Conká – Portal O Farol

Vereador de João Pessoa apresenta voto de repúdio a Karol Conká

A rapper paranaense Karol Conká está no paredão e pode deixar o Big Brother Brasil nesta terça-feira, 23. Na Câmara de João Pessoa, a artista também não está agradando. É que o vereador Junio Leandro (PDT) apresentou um voto de repúdio à cantora e também quer aprovar para ela um título de “Persona Non Grata”. As proposições alegam que Karoline dos Santos Oliveira agiu com xenofobia em relação aos paraibanos ao debochar de outra participante, a advogada e maquiadora Juliette, natural de Campina Grande.

Xenofobia é a desconfiança, temor ou antipatia por pessoas estranhas ao meio daquele que as julga, ou pelo que é incomum ou vem de fora do país. A palavra é de origem grega e seu sentido pode ser compreendido como “aversão ao estrangeiro”.

A rapper disse que, como foi criada em Curitiba, tinha muita educação para falar. “Me disseram que lá na terra dessa pessoa é normal falar assim”, contou. Karol continuou o discurso falando que ela era educada. Dando a entender, nas entrelinhas, que a paraibana, não era igual. “Eu tenho muita educação. Eu tenho meu jeito brincalhão, mas reparem que eu não invado, eu não desrespeito, não falo nem pegando nas pessoas”, enfatizou.

Por Parlamentopb

Na justificativa de sua propositura, Junior explica que Karol, por inúmeras vezes, “debochou do sotaque paraibano, usando o tom pejorativo ao pronunciar o modo em que todos os pessoenses, campinenses, e oriundos desta magnífica terra em puxar arrastado o “T” na pronúncia, ao bravejar o jeito de falar ignoranTE, deseleganTe, arroganTe. Tais fatos foram amplamente noticiados em vários meios de comunicação locais e nacionais e bastante repercutidos nas redes sociais. A xenofobia velada, nesse contexto, expõe feridas, demonstra ignorância e a prepotência, além de não respeitar todo o tecido cultural e histórico de que a Paraíba participou aguerridamente durante anos”.

  

Categorias: Cidades,Destaque,Política