Por que encher o tanque do carro faz você gastar ainda mais com gasolina – Portal O Farol

Por que encher o tanque do carro faz você gastar ainda mais com gasolina

UOl

Abastecer o carro custa cada vez mais caro para os motoristas. Na última sexta-feira, a Petrobras anunciou novo aumento no preço da gasolina e do diesel, o que gerou críticas do governo à política da empresa e até movimentação para instauração de uma CPI.

Os reajustes constantes afetam diretamente o consumidor, que acaba mudando seus hábitos na hora de abastecer seu veículo. Ao encontrar preços atraentes, muitos tratam de encher o tanque até o limite para tentar economizar. O problema é que isso também afeta o seu bolso, já que reduz a eficiência do veículo.

A explicação é simples: quanto mais peso houver a bordo, maior será a quantidade de combustível necessária para percorrer determinada distância.

“A cada 100 kg, o consumo sobe 6%”, informa Everton Lopes, mentor em tecnologia e inovação da SAE Brasil.

Parece algo inexpressivo, mas é bom não esquecer que esse desperdício vai se acumulando com o passar do tempo. E o prejuízo também.

Portanto, se você dá valor ao seu dinheiro suado, não vale a pena encher o tanque no circuito urbano – prefira fazê-lo somente em caso de necessidade, como em uma viagem mais longa. E sem pedir “chorinho” ao frentista.

Além do alto consumo, andar com o tanque no limite, seja com ele cheio ou na reserva, não faz bem à saúde do carro.

“Encher o tanque até o bocal danifica o cânister, que é filtro com carvão ativado responsável por reter os gases provenientes da evaporação do combustível. Esse filtro, geralmente localizado próximo ao tanque, é encharcado, perdendo toda sua eficiência”, alerta Lopes.

De acordo com o engenheiro, os vapores que emanam do tanque são altamente tóxicos e poluentes – daí a importância de manter o cânister em bom estado.

A orientação do especialista é parar o abastecimento assim que gatilho for desarmado – o que proporciona nível adequado e seguro.

Abastecimento bocal tanque de combustível - Shutterstock - Shutterstock
Tanque muito cheio pode danificar cânister e deixa o carro mais pesado, elevando gastos
Imagem: Shutterstock

Não é só pane seca

Outro extremo não recomendado por Everton Lopes é deixar o tanque constantemente na reserva – o manual do proprietário de qualquer automóvel também condena a prática.

Além do risco de pane seca, que pode causar danos mecânicos e, inclusive, rende multa de trânsito, o consumo também sobe nessa situação.

“O tanque quase vazio significa mais espaço para vaporização do combustível. A taxa de perda por evaporação, portanto, sobe”.

A influência no consumo dificilmente será perceptível no momento, mas cobrará seu preço a médio e longo prazo.

Conforme mencionado acima, o vapor proveniente do tanque traz sérios riscos à saúde.

Tanto que, a partir de 2023, começa a implementação gradual da válvula ORVR em todos os veículos flex e a gasolina vendidos no País. O equipamento bloqueia o retorno desses gases durante o abastecimento e os aproveita na combustão do motor.

Bomba queimada

Não bastassem o desperdício e a questão ambiental, abusar da reserva pode pesar muito mais no bolso.

“Mesmo filtrado, o combustível fornecido pelo posto traz partículas que vão parar no tanque do veículo e depois ficam depositadas no fundo do reservatório. Com nível muito baixo, essas partículas acabam no filtro de combustível”, explica Lopes.

A sujeira acaba entupindo o filtro, causando perda no desempenho e forçando a bomba de combustível, que encontra maior resistência para enviar o líquido ao motor.

“Essa situação crítica sobrecarrega a bomba e causa sua queima. Mesmo se não houver entupimento do filtro, ela é projetada para estar submersa no combustível, integrada ao corpo da boia. Caso fique exposta, acaba superaquecendo e a chance de queima é elevada”.

 

UOL

Categorias: Brasil,Cidades,Destaque,Política,politica