O PRESIDENTE TESTOU POSITIVO, E DAÍ? Por José Ricardo – Portal O Farol

O PRESIDENTE TESTOU POSITIVO, E DAÍ? Por José Ricardo

E daí é que desejamos pronta recuperação ao Presidente e que nada de pior possa lhe acontecer, além de pagar pelos seus crimes na justiça, através de um processo legal. Não podemos perder a empatia somente porque não concordamos com a maneira sórdida com que o presidente se apresenta para a Nação. Não, não podemos nos igualar ao nível do bolsonarismo, pois assim estaríamos sendo tão medíocres quanto os que se regozijam com a posição satânica do seu mito. O Brasil precisa dar uma lição a esse moço, que ousa tripudiar em cima da dor alheia.

Eu pensava em manter uma pausa nas críticas ao Presidente, mesmo porque ele havia feito uma trégua em suas posições tresloucadas, acenando para uma harmonia, que infelizmente nunca existirá, pois o ego doente do cidadão não o deixa sair da sua bolha beligerante. A notícia de contaminação do Corona Vírus, trazida pelo próprio, traz uma reflexão sobre o caráter mesquinho da personagem sob análise, pois em maio recente o protagonista lutava enfurecidamente para esconder um exame de COVID-19, utilizando-se até de recursos jurídicos para manter nas sombras a verdade de um possível contágio. Agora, a iniciativa de vir a público pode parecer, para os desapercebidos, que o Presidente adquiriu responsabilidades que deve ter um chefe de Nação, postura na qual não acredito nem um pouco. Advogo que por detrás desse ato de falsa transparência existe uma intenção, que em breve saberemos.

Acompanhando a disposição do Presidente em comunicar a todos a sua enfermidade momentânea, ele se apresenta como garoto propagando da cloroquina, droga farmacêutica já abandonada pelo meio científico, e que somente é prescrito por alguns médicos sob responsabilidade e risco do paciente, o que denota o perigo que pode suscitar quando de suas prescrições. O médico ao exigir autorização está cônscio dos males que a medicação não reconhecida e sem protocolo pode acarretar. Resultados positivos nunca foram defendidos pelos profissionais da saúde, pois os fatos confirmados pelos meios competentes não deixam margens para a defesa do medicamento no tratamento da COVID-19.

O presidente faz questão de divulgar a caixa do remédio “milagroso” e assim procede como faria em propaganda das pastilhas MENTEX e VALDAS. Para nós que não somos ligados aos possíveis bons propósitos do Presidente, lembramos que notícias dão conta de que o exército tem estoque de cloroquina para “tratar” milhões de brasileiros, mesmo sabendo-se da ineficácia do produto para o caso. Por que isso? Por que a defesa enfática do questionado remédio, que pode servir até para unha encravada, menos para a COVID-19? A verdade virá à tona quando o véu do obscurantismo for rasgado.

O pior disso tudo é que a postura de garoto propagando do Presidente consegue alcançar a ignorância que contaminou parte da população brasileira, que vê nos atos do mandatário tudo que deveria ser adotado antes e que as forças estranhas sempre colocam obstáculos. A teoria da conspiração beira à sandice.

Vamos esperar o desenrolar dos acontecimentos, torcendo pela pronta recuperação do senhor Bolsonaro, e ficar na torcida de que ele não esteja calculando um bote covarde e irresponsável, como tem sido a sua conduta diante de um punhado de carências que enfrentamos, como um ministro da saúde, que possa coordenar as ações para enfrentarmos os desafios e a prioridade pela saúde do povo, haja vista que noticiários dão conta de que apenas 12 bilhões foram gastos com a saúde, num orçamento de 40 bilhões. Ou seja, apenas 30% do orçamento foram utilizados. Isso é criminosos! Colocar a responsabilidade sobre os ombros dos governadores somente é tão covarde como nojento. Antes que defendam que isso foi decisão do STF recomendo que usem o tempo ocioso que dispõem e revejam o que decidiu a Suprema Corte e parem de proferir tudo que é produzido dentro da sua deficiência cognitiva. Insistir nesse mantra é sinônimo de cegueira e burrice. Hoje somamos mais de 66 mil mortos e 1.6 milhões de infectados. A situação seria bem mais catastrófica não fossem as ações de isolamento e de uso de máscaras defendidos pelos Estados, sob o olhar desdenhoso do Executivo, que encontra razões para se intrometer em assuntos legislativos que não lhe competem. Some-se a isso, ainda, a irresponsabilidade de parte da sociedade, que brinca com a doença como se ela não existisse. Justificar que também o judiciário se intromete nas atribuições do Executivo é de uma falta tamanha de argumentos que não chega nem a está errado de tão absurdo que é. Tudo que a justiça tem barrado decorre de transgressão às leis existentes, principalmente infração aos preceitos constitucionais. Assim, não há de se falar em intromissão no executivo e sim a barracão de cometimento de crimes contra a sociedade, que escolheu como marco civilizatório o Estado Democrático de Direito. Isso é dever constitucional do STF.

Cuide-se Presidente e veja se retorna às atividades pensando como brasileiro que quer o melhor para o País. Pare com seu projeto de destruição das instituições democráticas e retiradas de direitos dos trabalhadores, pois já somos um dos países mais desiguais do mundo, e isso tem parcela de culpa do seu (des) governo desastroso. O mundo já nos refuta. Fruto do pouco caso do seu (des) governo com o meio ambiente, os direitos trabalhistas, abandono de incapazes e dos indígenas, transgressão aos direitos humanos. Tudo isso tem causado estragos na nossa imagem perante o mundo e já somos considerados um ponto fora da curva.

Tome uma nova tendência Presidente. Aproveite o descanso e reflita sobre seus atos mesquinhos e inconsequentes. Ficamos na torcida para que o senhor se recupere e que possíveis sequelas em sua saúde não ultrapassem às mesmas causadas por uma “gripezinha”, um “resfriadinho”.

Deus lhe abençoe Presidente, e nos proteja das maldades que o senhor insiste em perpetrar.

 

José Ricardo, contabilista.

Categorias: Cidades,Colunistas,José Ricardo